Formação de Grupos - por Jaume de Marcos 

CURSO DE FORMAÇÃO DE GRUPOS LOCAIS UNITÁRIOS UNIVERSALISTAS

Por Jaume de Marcos

1 - Como organizar e reunir um grupo local UU -------------------------------------------------- --------

Começamos aqui um programa de treinamento que consiste em uma série de comunicações sobre como organizar um grupo e criar um programa de culto e celebrações Unitárias Universalistas. Este programa é destinado especialmente para aqueles que estão incentivados para organizar e coordenar um novo grupo UU em sua cidade ou região.

A primeira notícia é realmente muito boa, e é que você não precisa ter um doutorado em teologia, ou ter seguido um programa de educação no exterior para ser um Coordenador Local Unitário Universalista. Qualquer um (repito: * qualquer um! *) de nós é capaz para agir como tal. Basta com ter a iniciativa e o desejo de organizar um grupo espiritual liberal e iniciá-lo. Você também tem que gastar um pouco de tempo, mas você verá que não é muito (pelo menos inicialmente).

Obviamente, para coordenar um grupo deve primeiro formar-lo. Geralmente 3 ou 4 pessoas é suficiente para ter uma celebração UU interessante, fornecer o sentido espiritual, e aquela sensação de "comunidade de buscadores" que são características dos grupos UU. Essas pessoas podem ser conhecidos, amigos ou familiares que sabemos que têm idéias liberais estão afins às nossas: membros de um centro comunitário, um ateneio ou ONG em que colaboramos, ou você pode até mesmo colocar um anúncio no jornal local (nesse caso é sempre recomendado, mas não essencial, fazer primeiro entrevistas pessoais com as pessoas que respondem ao anúncio para conhecer o seu interesse e motivação, e então decidir se eles estão sinceramente interessados em participar de um grupo espiritual liberal).

Deve-se ter em mente que os Unitários Universalistas não discriminamos em razão da religião, doutrina ou ideologia. Mesmo que nos sentimos relutantes em aceitar alguém que afirma ter algumas idéias que parecem estranhas ou pitorescas, devemos olhar mais a sinceridade de sua intenção de participar em uma comunidade espiritual aberta, aportando coisas sem querer impô-las aos outros, bem como a sua capacidade de tolerância e diálogo com quem pensar diferente.

Por outro lado, se alguém tem a sua própria agenda oculta e com o tempo descobrimos que apenas se trata de tentar "converter" os outros membros do grupo à sua crença particular, gentilmente vamos lembrá-lo que o nosso é um grupo pluralista onde todas as opiniões são

bem-vindas enquanto as opiniões dos outros sejam respeitadas, e se não reconsidera e se mostra dogmático, proselitista, ou intolerante ou puramente proselitista da sua própria crença, para o bem do grupo é melhor convidá-lo para seguir o seu caminho em outro grupo mais afim às suas ideias. Devemos estar firmes em nossos princípios, especialmente nas fases iniciais do grupo, quando ainda não se criou uma "cultura comunitária" de diversidade e pluralidade. A nossa própria tolerância e aceitação da diversidade, tendo o cuidado da liberdade e respeito mútuo no grupo, deveria servir de exemplo para visitantes e novos membros.

Uma vez formado o grupo, deve-se encontrar um lugar e uma data para a reunião. Se desejamos formar desde o início um grupo de trabalho espiritual, meditação, silêncio, leituras, música, etc., é aconselhável procurar um lugar tranquilo e acolhedor.

Alguns grupos religiosos, centros de espiritualidade ou de retiros, ou instituições terapêuticas, de crescimento pessoal, etc. cedem espaços gratuitos ou os alugam a preços acessíveis. Nós também podemos fazê-lo em nossa casa, se temos espaço suficiente e nossa família não se importa (e se eles querem participar, melhor).

Se optarmos por começar com uma atividade genérica (por exemplo, uma reunião sobre espiritualde ou ética, ou um grupo de leitura e análise de texto), é possível nos reunir em lugares públicos, acolhedores, onde o ruído do ambiente não é excessivo e permite o diálogo, como um café tranquilo ou um centro cívico.

Tradicionalmente, os grupos Unitários e Universalistas celebram os seus cultos aos Domingos, já que muitos têm derivado da tradição cristã protestante. No entanto, isso não é imperativo e podemos decidir nos reunirmos num dia da semana mais conveniente. Normalmente, uma reunião por mês é suficiente para começar. É aconselhável para encontrar uma regularidade nas reuniões e para criar uma "hábito" de reunião: por exemplo, a primeira quarta-feira de cada mês ou no último domingo, etc. Isso também é útil para os novatos que querem se unir ao grupo, para as brochuras que nós escrevemos a fim de informar o nosso grupo, ou para texto dos anúncios se nós publicarmos as nossas reuniões nos meios de comunicação.

Tradução, Rev. Dr. Andrés Omar Ayala – 2015

CURSO DE FORMAÇÃO DE GRUPOS LOCAIS UNITÁRIOS UNIVERSALISTAS

Por Jaume de Marcos

2 - Estrutura básica de um ato religioso UU -------------------------------------------------- --------

Continuamos o nosso programa de treinamento sobre como organizar um grupo e criar um programa de culto e celebrações Unitárias Universalistas. Esta mensagem é dirigida especialmente para aqueles de vocês que desejam coordenar e conduzir uma celebração religiosa Unitária Universalista.

Primeiro de tudo, vamos falara em nomenclatura: na tradição anglo-saxã se fala de "culto" (worship), uma vez que eles vêm da tradição protestante. Podemos escolher o nome que considerarmos mais apropriado e significativo para os nossos atos religiosos, estando cientes das conotações em nossa cultura, certas palavras têm conteúdo religioso. Assim, podemos escolher uma palavra que implica um espírito festivo como "celebração" ou um mais neutro como "reunião" ou “encontro”. Se o nosso ato será composto de uma música de fundo em silêncio ou com, ou apenas uma conversa meditação pensativo, também podemos chamá-los assim.

A estruturação do espaço é um elemento simbólico importante. Uma disposição vertical do grupo, de frente para uma mesa ou estante onde está o líder da reunião, favorece uma percepção hierárquica e divisão inconsciente entre o líder e os participantes do culto, a que é ainda mais enfatizada se o líder está em uma plataforma ou outra estrutura elevada. Em uma tradição democrática e participativa como a nossa, especialmente em pequenos grupos, é aconselhável procurar arranjos espaciais mais iguais, em um círculo ou forma crescente com o coordenador do evento no centro, a fim de encurtar distâncias interpessoais, comunicação mútua através de olhares, gestos e posturas, e fomentar um sentimento de comunidade.

A tradição religiosa Unitária Universalista ocidental permite uma grande variedade e experimentação nas celebrações religiosas. No entanto, podemos encontrar algumas características e elementos comuns que compõem o esquema básico de nossas ações:

  1. Introdução Musical

  2. Acendimento do cálice

  3. Comunicações

  4. Hinos e música (intercaladas entre as outras atividades)

  5. Silêncio e / ou ritual

6. Apresentação (sermão) 7. Afirmação
8. Bênção

Agora vamos examinar brevemente os vários elementos que constituem o ato religioso:

1) Introdução Musical: É usada para convidar os participantes a temar assento e adotar uma atitude de solenidade e reverência. Alguns grupos enfatizam o início do evento com um pequeno gongo ou sino para convidar ao silêncio. O líder ou o presidente da congregação pode também dizer algumas palavras de boas-vindas aos participantes.

2) Acendimento do Cálice: Este é um elemento recente que tem se espalhado rapidamente como uma marca caraterística dos Grupos Unitários na maioria dos países. É muito importante porque marca o início da celebração religiosa. Com o acendimento do cálice se estabelece o início do "espaço sagrado", este espaço que nós criamos entre todos para um ato comum importante, esperamos fornecer orientação, esperança e reverência para com a vida dos participantes.

Em muitas congregações Unitárias Universalistas, o Cálice é um importante elemento ornamental, muitas vezes uma obra de arte. Em nossos pequenos grupos é suficiente com um castiçal ou pires no qual colocar uma vela.

O acendimento da vela ou cálice, geralmente é acompanhada de palavras recitadas pelo líder da reunião ou pela pessoa que acende a vela (não precisa ser a mesma pessoa). Aqui estão alguns exemplos do livro do Rev. Bruce Southworth, "Este Dia ... ":

"Nós acendemos esta vela como símbolo da luz que brilha no coração do homem."

"Hoje estamos juntos como uma comunidade espiritual de pessoas livres para celebrar a Vida. "

"Nós acendemos esta vela como um lembrete de que a vida é nascer de novo todos os dias."

"Nós acendemos esta vela como um símbolo de esperança. Que a luz interna de cada um dos nós ilumine todos os dias. Que a luz da verdade e da bondade seja sempre parte de nossas vidas."

"Nós acendemos esta vela como símbolo da nossa fé. Que os nossos luzes individuais se fusionem numa comunhão de corações e almas ".

4) Os hinos e música: É sempre importante deixar espaço para a música, tanto para ouvir quanto para participar ativamente em seu canto em uma celebração religiosa. Os hinos são atos de afirmação e unidade do grupo, o canto transmite artisticamente princípios que encorajam e inspiram uma comunidade. Para os nossos propósitos, podemos limitar-nos a ouvir uma faixa, ou podemos adaptar canções existentes de outras tradições ou seculares. Por exemplo, podemos cantar a versão da "Ode à Alegria", cantando música "popular" ou tradicional de cada cultura, canções que têm um alto conteúdo ético e humano, ou adaptando hinos da tradição católica ou protestante, nossa própria tradição sem credo e inclusivos de diferentes crenças (em alguns casos pode ser apropriado para alterar as letras

de hinos em um sentido menos doutrinário e mais aberto). Se fizermos um evento público ao ar livre e usar a música moderna, que podem estar sujeitos a direitos de autor, é importante certificar-se de solicitar a permissão apropriada (geralmente concedida para actividades sem fins lucrativos).

5) O silêncio e / ou ritos: É importante e necessário deixar um espaço, mesmo breve, para o silêncio reverente e a meditação. Podemos começar este espaço convidando com algumas palavras ao silêncio e reverência, a internalizar, ouvir os nossos corações, a rezar ou refletir em silêncio pela paz, etc.

Em religiões orientais, uma sessão de meditação completa pode durar de vinte minutos a uma hora ou até mais, mas em um ato Unitário Universalista "padrão" que inclui outras actividades e tem um programa mais ou menos comprido, um de minutos é geralmente suficiente. (Se várias pessoas estão interessadas em explorar meditação, um subgrupo pode atender especificamente outro dia da semana para a prática.) Se você tiver gongo ou sino, podemos fazê-lo soar suavemente para indicar o início e o fim do período de silêncio.

Durante a celebração, também podemos fazer um ritual simbólico e significativo. As cerimônias Unitárias Universalistas não são rituais mágicos, mas representações de uma Comunidade buscando expressar por gestos e símbolos uma experiência espiritual ou emocional. A tradição Unitária Universalista tem criado ou adaptado diferentes rituais para a expressão dos valores mais profundos e esperanças de nosso espírito.

Um ritual comum em nossas congregações é a cerimônia de "alegrias e aflições ": Os participantes que desejam expressar e compartilhar com a comunidade uma razão de alegria ou tristeza se levantadam, para ir para o centro e acender uma vela. Eles podem permanecer em silêncio, ou eles podem explicar brevemente ao grupo o motivo da sua alegria ou aflição: pode ser a entrada na universidade de um filho, um próximo casamento ou nascimento, doença ou morte de um ente querido ou de um amigo, etc. Depois eles voltam ao seu lugar e dão lugar a uma outra pessoa no grupo. As velas são acesas em torno do Cálice ou a vela principal (que foi acesa no início da celebração) como um símbolo e um lembrete desse sentimento pessoal. Às vezes ocorrem momentos profundamente comoventes durante a cerimônia.

Dedicamos a próxima mensagem deste curso para estudar este e outros ritos Unitários Universalistas mais.

6) Apresentação (sermão): O sermão é um elemento-chave na cultura protestante e cultura religiosa Unitária Universalista herdou esta tradição. É um discurso estruturado que, a partir de um elemento inicial, desenvolve informações, reflexão, emoção, reflexão espiritual e aprendizagem procurando a renovação interior dos participantes.

Enquanto os sermões católicos e protestantes tendem a se concentrar em uma passagem da Bíblia, os Unitários Universalistas podem refletir sobre qualquer evento significativo, mesmo uma experiência pessoal, uma anedota ou uma história. A literatura Unitária Universalista abunda em sermões e discursos, e a maioria de nossas igrejas e congregações incluem apresentações orais de seus ministros e líderes em suas publicações e, recentemente, também em suas páginas Web. É relativamente fácil obter e traduzir todos os textos para o uso em nossos grupos, ou podemos explicar nossas próprias reflexões.

A este respeito, é importante não ler do papel, mas falar diretamente com as pessoas e usar o texto escrito a maneira de um recurso de apóio. Isto facilita a comunicação entre o líder e o seu público, uma vez que a mera leitura carece de força emocional e indica falta de convencimento e dificuldades de comunicação (e se o líder também ler uma carta, olhando para o papel o tempo todo, ainda pior). Um pastor protestante explicou em um tempo: "Se você tem que ler um texto sobre um tópico e não sabe como falar sobre isso, isso significa que você mesmo não internalizou a mensagem, você permanece dentro de você e se você não acha o que a mensagem diz a si mesmo, como você quer que os outros recebam e aceitem o que ouvem? ". É, por conseguinte importante falar não só com conhecimentos, mas com convicção e fé na validade e sentido das nossas reflexões. Também é muito importante manter contato visual com o público e olhar ao redor da sala e não centrar-se em único setor ignorando o resto.

Após a apresentação oral, em grupos pequenos e médios é especialmente útil e interessante abrir um espaço de diálogo ("Feedback"). Nossa tradição tem valores democráticos, participativos e liberdade individual de pensamento como um fator fundamental. Por isso, é importante que as pessoas possam dar a sua opinião e fazer comentários que considerarem relevantes. É também importante para evitar a um participante monopolizar o debate, o respeito pelos outros povos que querem intervir e promover a multiplicidade e contrastar diferentes pontos de vista. Se a intervenção de um assistente é oposta ou exposição crítica, em seguida, o líder não deve reagir de forma "defensiva ", como se para justificar suas palavras, mas para aceitar a multiplicidade de visuões e integrar pontos de vista conflitantes, como forma de enriquecer o debate.

7) Declaração: Vamos tentar reservar um tempo do ato religioso para o grupo, e afirmar em coro em voz alta o que nos une e tornar-nos intencionalmente uma comunidade reunida por um propósito comum. Esta afirmação pode ser a declaração de princípios e missão da congregação local , os valores básicos Unitários Universalistas, ou qualquer outra fórmula para resumir e condensar os nossos valores fundamentais como uma comunidade religiosa livre e universalista.

8) Bênção: A bênção conclui a cerimônia religiosa. O seu objectivo é concluir o espaço sagrado e transmitir uma mensagem de esperança que os participantes vão começar a voltar para o mundo, seu cotidiano e suas ocupações. Estes são exemplos de bênçãos:

"Vamos seguir os ditames do coração aberto e a mente sincera, encontremos a força na busca diária dos mistérios da vida, encontramos momentos de graça e cultivemos sempre ambos, sabedoria e ternura. Amém. "

"Que a beleza seja a nossa companheira e a coragem nossa determinação. Que a integridade seja nossa força e o amor nosso guia. Amém. "

"Vamos marchar com renovada força para a nova semana que começa, dedicados ao amor que cura todas as feridas e a coragem que erradica medos, cheios de um esperança imperecível. Assim seja."

"Vamos marchar como portadores da Luz, justiça e bondade. Amém."
"Qualquer que seja a nossa religião, como o sol, brilha em toda parte: seu templo, todo o

espaço; seu credo, toda a verdade; seu altar, o coração bondoso; sua escritura, toda a sabedoria; seu ritual, as obras de amor; sua profissão de fé, uma vida sublime. " (Theodore Parker)

"Aqueles que vieram à procura do sagrado, que o sagrado vá com vocês, aqueles que viram para abraçar a vida, que a vida corresponda à sua afeição; quem veio em busca de um mundo melhor, que encontrem uma maneira de chegar a todos e coragem para fazer isso acontecer todos os dias. "

"Se a viagem da vida nos leva em direções diferentes, na ausência não se esqueça: as mesmas estrelas brilham em todos nós; nos aquece a todos o mesmo sol; que todos pertencemos à mesma família humana; que aninham em nossos corações os mesmos ideais. "

Tradução, Rev. Dr. Andrés Omar Ayala – 2015

CURSO DE FORMAÇÃO DE GRUPOS LOCAIS UNITÁRIOS UNIVERSALISTAS

Por Jaume de Marcos

3 - Estrutura simbólica de um ato religioso UU -------------------------------------------------- --------

Continuamos nosso programa de treinamento sobre como organizar um grupo e criar um programa de culto e celebrações Unitárias Universalistas. Esta mensagem é dirigida especialmente para aqueles de vocês que querem aprofundar o sentido simbólico e espiritual de uma celebração religiosa, realizada no âmbito da Tradição Unitária Universalista.

Na mensagem anterior falamos sobre os elementos "superficiais" ou visíveis do culto ou reunião: o nome (se celebração, meditação, serviço, "culto", ou simplesmente reunião ou encontro), a estrutura espacial e uma seqüência típica de elementos que normalmente compõem um ato religioso.

Neste artigo vamos estudar brevemente a "estrutura subjacente" ou invisível que dá sentido e coerência ao modelo de seqüência e atos mencionados acima. Para isso nós vamos seguir o modelo projetado pelo ministro UU Von Ogden Vogt, que liderou por muitos anos a Primeira Sociedade Unitariana de Chicago (EUA).

O Reverendo Vogt concebr o culto Unitário como "celebração da vida" (fazendo referência ao conceito central da religião segundo o teólogo liberal protestante, médico e Prêmio Nobel da Paz, Albert Schweitzer). Portanto, toda cerimônia debe atualizar a celebração do milagre da existência, a diversidade e a força de sobrevivência contra a adversidade e contra as forças destrutivas que ameaçam esse milagre.

Para Von Ogden Vogt, a celebração religiosa era um ato artístico e simbólico profundo, que afetava a própria raiz do ser, sem esquecer suas implicações éticas e implementação de valores humanos que envolvem a experiência espiritual. Assim, ele prestou grande atenção à estruturação significativa (com significado ou sentido) das celebrações.

De acordo com um dos modelos que ele desenvolveu, a cerimónia religiosa pode ser comparada com um drama em cinco atos. Cada ação corresponde a uma fase necessária do processo principal, num sentido de crescimento interior e restauração, até a conclusão e fechamento. Esses atos ou fases da celebração são, de acordo com esse modelo:

1) Atenção e Visão:

O seu propósito é concentrar o público sobre a importância do ato e afirmar a nossos ideais e aspirações comuns.

2) Humildade
- Nesta fase, reconhecemos as nossas limitações humanas e como estamos longe de alcançar os nossos mais altos ideais.

3) Exaltação
- Aqui evocamos e reunimos forças para melhorar a nós mesmos e para a realização do projeto de vida, agradecendo à vida pelos seus múltiplos dons.

4) Iluminação
- Neste ato afirmamos as energias evocadas previamente sobre a base sólida da sabedoria e aprofundamento espiritual, encontrando novas perspectivas e abrindo novos caminhos para o espírito.

5) Dedicação
- Para concluir a celebração, reafirmamos os nossos ideais com a resolução de trabalhar responsavelmente para alcançar esses ideais ao retornar para o mundo.

Portanto, vemos que este modelo é ativo e teleológico (com um objetivo): o seu propósito é nos permitir fazer contacto com um nível mais profundo de significado, que permanece subjacente ao trabalho diário, às vezes imperceptível. Em seguida, o processo permite voltar para o reino do cotidiano com uma nova visão (ou um reforço dos velhos ideais outongando-lhes nova vitalidade) para, obtida a renovação interior, projetá-los como renovação exterior e melhoramento da realidade em torno de nós e em que nos encontramos como parte integrante.

Este é apenas um dos vários modelos possíveis. No entanto, o esquema nuclear deste modelo de Von Ogden Vogt temos discutido, de partir do centramento e introspeção em direção a uma renovação e crescimento espiritual, vamos ver que é basicamente comum a todos os modelos existentes, explícitos ou implícitos de celebração Unitária Universalista.

Tradução, Rev. Dr. Andrés Omar Ayala – 2015

  • facebook-square
  • Twitter Square
  • google-plus-square